Você está aqui

Contribuições das mulheres camponesas para a advocacia popular

Por Ísis Taboas

 

Rosângela Piovesani, do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), estudante de Direito na Universidade Federal de Goiás (UFG), turma Fidel Castro, do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA), foi uma das convidadas a compor a mesa sobre advocacia popular feminista do 22º Encontro da Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares  (RENAP) que ocorreu de 6 a 10 de setembro de 2017, na cidade de Belo Horizonte (MG). Rosângela fez um resgate histórico sobre as lutas feministas e as conquistas populares por direitos à documentação pessoal, à terra, ao registro da terra em nome das mulheres e ao reconhecimento da violência contra mulheres como violação aos direitos humanos. A estudante convidada debateu assuntos jurídicos e políticos atuais, tais como a perda de direitos que as mulheres camponesas sofrerão caso a Reforma da Previdência (PEC 287/16) seja aprovada. 

Hoje, com 55 anos de idade, Rosângela tem acesso à Universidade e pode contribuir com a UFG trazendo, para o espaço acadêmico, suas experiências e saberes acumulados em décadas de lutas travadas no Movimento de Mulheres Camponesas e na Coordenação Latino Americana de Organizações do Campo (CLOC-Via Campesina). Além disso, Rosângela, dentro do espaço acadêmico, pode acessar ferramentas teóricas que a UFG disponibiliza às/aos estudantes e qualificar ainda mais a luta das mulheres camponesas brasileiras.

Graças ao Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA), as vidas de muitas/os jovens e adultas/os têm sido transformadas, as universidades têm sido ocupadas pelo povo e a educação tem sido um direito alcançado pelas famílias da Reforma Agrária. Porém, com os cortes das verbas destinadas ao Programa, o governo golpista ameaça a continuidade dos estudos das turmas do PRONERA. Com o estrangulamento financeiro, as mulheres e homens que hoje pintam de povo as universidades federais serão compulsoriamente alijadas do ensino superior, terão, mais uma vez, seus sonhos roubados. O horizonte que se apresenta para as famílias da reforma agrária é a luta contra o governo golpista e os cortes na educação. 

FORA TEMER! CONTRA OS CORTES NA EDUCAÇÃO!

 

 

Minga Informativa

Produção: MDA Comunicação Integrada